quinta-feira, 24 de julho de 2008

Sumo de melancia com pedras de gelo

Eu e a melancia
Já vem sendo hábito chegarmos ao verão e o marasmo instalar-se nas salas de cinema desta cidade. Parece que cinema de qualidade não rima com calor. Resta-nos algumas boas notícias e estar atento aos circuitos independentes e reposições que ainda possam surgir.
Por estes dias o Cine-Estúdio do Campo Alegre volta a repetir a iniciativa de outros anos, repondo alguns filmes que estiveram em cartaz no último ano. Aproveito para ver "Tian bian yi duo yun " ou por cá chamado de "O Sabor da Melancia", perdido no inverno passado.
Tsai Ming-Liang traz-nos um filme sobre a falta de água, o consumo desmedido de melancias, personagens estranhamente solitárias que vagueiam sem rumo, cenas de sexo expostas ao ridículo, muitos silêncios e pausas musicais supostamente hilariantes mas que não quebram a melancolia e tristeza sentidas até ao final. Alguém dizia que este filme relatava uma história de amor. Pelo contrário, na minha opinião é uma história sobre a incapacidade de amar. A última cena do filme é a revelação dessa incapacidade sentida pela personagem masculina desta história. Mas quem disse que o amor é a única coisa que pode ligar duas pessoas? Não conhecemos todos exemplos de casais que estão unidos por tudo e mais alguma coisa, menos pelo amor? Mas até se pode compreender, amar dá muito trabalho e nem todos estão dispostos a ceder, a encontrar equilíbrios, a dialogar, a sofrer... Quanto mais inócuo, melhor! :P
Bom, é um filme para ver num dia tendencialmente bem disposto para não sermos demasiado afectados por essa melancolia.

2 comentários:

Anónimo disse...

que morenito está el sujeta sandías!, un beso, y bonita pared...

Pedro Costa disse...

bora????????? :D